domingo, abril 21, 2013

Desapego



O apego existe em tudo. O ser humano é apegado a tudo, seja um bem material, um sentimento, um dia, uma noite, um tempo, um gesto e mais do que tudo, a conceitos que residem no centro de operações – Mente.

Só não é “apegado” ao Amor, por si! Esse foge-lhe diariamente sem que se aperceba e assim possa fazer alguma coisa para o evitar. Mas aqui só se evita o que não se gosta… Ao que se gosta, apegamo-nos. É assim este mundo de dualidade chamado Terra, centro remoto de todos aqueles dados como perdidos. 

Não se apeguem nem ao bem nem ao mal, nem ao que se gosta, nem ao que não se gosta, da mesma forma o que se evita é um apego.
Não é estranho só falar em apego quando o título é DESAPEGO, não, porque este só tem sentido ser falado porque o outro, o APEGO, existe, assim é a Dualidade.
Mas transcendendo um pouco as palavras, indo para além das palavras, dissecando-as como se diz – AP-EGO / DESAP-EGO, simultaneamente “aumento do ego” e “negação ou acção contrária ao aumento do ego”. Pois o ego está presente até aqui e nem se pára para pensar… De mãos dadas caminham e em pequenas, quase insignificantes coisas, palavras, o Homem está amarrado a essa linha que o separa da sua parte divina.

É essencial á evolução espiritual humana, que se trabalhe o desapego para que quando cada alma partir do físico em direção ao divino, não tenha amarras, não tenha nenhuma corda atada em nós cegos e sucessivos.
É o apego a todos os conceitos e preconceitos com os quais a Alma é injetada desde que vem a este mundo, que prejudica o Ser, além de todo o apego ancestral que vem na sua bagagem.
Por isso, o desapego deve ser trabalhado diariamente para com tudo.

Tem-se apego à roupa que se usa.
Tem-se apego à forma como se arruma.
Tem-se apego à forma como se limpa.
Tem-se apego a gestos, sentimentos, expressões, a sorrisos… A pessoas.

Saibam que apego = a egoísmo, do mesmo modo que desapego = a altruísmo, estão ambos na mesma linha condutora. E indo um pouco mais longe, apego = egoísmo = falta de amor-próprio, do mesmo modo que desapego = altruísmo = amor-próprio e esta lista poderia ser infindável. 

Tem-se apego ao tempo e tudo isto é limitador, é castrador à Alma. Um apego é uma zona de conforto, saindo dela, há uma liberdade que porque é desconhecida, atemoriza o ser humano, sente-se sem rumo e procura incessantemente algo, mesmo no desconhecido, que o ancore, que o faça reconhecer ou criar condições para encontrar algo confortável ao seu AP-EGO.

Desapego às emoções, desapego da mente. Tudo reside aí, tudo advém daí. O Ser vive aprisionado na cela da mente, redes e redes, teias sem fim conectam-no a tudo… E, resumidamente, a NADA, porque se desconectou da sua Alma, do divino em si. E quanto mais conexões adquirem, mais longe e longo é o afastamento.

Desapeguem-se do que são para Serem a Verdade da Vossa Alma. Essa que há tanto anseia chegar. É preciso ser Humilde para que o Desapego ocorra. É preciso o Amor-próprio para que o Desapego ocorra. Mas falo-vos de algo profundo, interno, além do conceito Amor-próprio tal como conhecem, esse que é bom de dizer mas que poucos sentem em verdade. O Desapego encontra a verdade, não uma Mentira.

O Homem foi formatado para Ter tudo, não para Ser nada. O Desapego leva-te ao encontro do Ser… Tudo, para não Ter nada. Desapego de si enquanto condição humana, despir os hábitos que vestiram em camadas, que trazem no guarda-fatos da vida e SEREM… O que são.

O Desapego vem pela tua entrega pura e verdadeira de chegares a ti.

Nada é teu, nada te pertence, seja o que for… No entanto, poderás saber viver com tudo e em tudo, se te desapegares. Como?
Simples, o que existe na Terra faz parte dela e a ela pertence, o que tens na Terra é desta realidade, não te pertence enquanto Ser Divino que és, apenas tens em tua posse, apenas podes usufruir enquanto aqui estiveres, seja o que for, se te é proporcionado ter, desfruta com a certeza de que tudo é temporário e se deixares de o ter deixas. Não é o que dizem – “Foi bom enquanto durou…?”, então enquanto “te pertença” usufrui. Isto para os bens e meios que possas “Ter”. Enquanto físico e tudo o que o constitui a ele pertence e à sua casa também regressará um dia, a terra. Tudo é temporário aqui. Quando partires para a outra vida, nada levas contigo a não ser a tua Alma, tudo o resto perece. Contudo relembro-te… Nem a tua alma te pertence, mas sim, ao Pai Maior de onde ela provém. Célula, partícula da Grande Fonte Sagrada Ao qual retornarás.

O Maior Desapego nesta Terra é o da Mente, pois o apego a tudo o que existe nasce aí.
Não te apegues sequer a mim, não te apegues sequer à Escola.
Sê Livre em tudo, sabendo que a principal liberdade reside em seres livre, desapegado em ti e de ti mesmo, assim sê-lo-ás em tudo.

Amo-vos Incondicionalmente.

CMS

sexta-feira, abril 19, 2013

Perdão




O Maior Perdão, a existir, é o de ti para ti mesmo!

Nenhum Homem pode perdoar outro Homem em igualdade porque sendo igual ao outro, ao perdoá-lo, é a si mesmo que perdoa.

O perdão só existe para aquele que peca e o pecar advém do julgamento. Como pode Deus perdoar se Ele não julga!? Isso faz parte dos Homens. Como co-criador, o Homem desnuda-se perante si mesmo e as suas criações, e estas, não são só materiais, mas subjectivas, abstractas como esta, o Perdão. É claro que ao viver neste mundo de dualidade de bem e mal, há um “mauzinho” que peca e um “bonzinho” que de tanta bondade salva o outro, Perdoando-o. E de vez em quando, os papéis invertem-se porque um e outro são o mesmo.

Assim é na Terra e levou-se essa imagem ao limite, de a colocar em Nome de Deus e no final, no julgamento final, Deus perdoa ou condena todos os teus pecados.

Desenganem-se, quem o fará é o próprio Homem que porque não se perdoa e não se perdoou na Terra, se condena e quer redimir dos seus atos e para isso escolhe vir novamente à Terra e anda assim vidas e vidas sem conta. Lamento desiludir-vos, mas Deus não Perdoa! O Meu Pai não, só se for o Vosso Deus, vós como deuses co-criadores, porque nada há a perdoar, tudo são as vossas escolhas. Mas o Homem Porque teme a rejeição, a dor, o sofrimento, o julgamento, pede perdão.

Enquanto o Homem procurar o Perdão fora de si mesmo, viverá em desassossego constante, pois – O Maior Perdão, a existir, é o de si para si mesmo.

O Auto-Perdão pode levar-te a sair do julgamento e a entrar na aceitação.

Não te julgues, perdoa-te.
Não te ofendas, perdoa-te.
Não te maltrates, perdoa-te.
Não sofras, perdoa-te.

Não vivas nas amarras do passado porque há coisas que não esqueces… Perdoa-te.

Perdoa-te de tudo, das boas e más acções,  perdoa-te para te limpares, auto-limpeza é o processo do perdão. Comete-se uma falha, um ato maldoso, ofensivo para com alguém que se ama e depois cai-se em si mesmo e pede-se perdão… O outro é só o reflexo de ti mesmo, o que te leva a esse impulso de pedir perdão é o que sentes, esse sentimento que fica dentro de ti, esse peso… E quantas vezes, mesmo com o outro a dizer – “Perdoo-te”, não ficas totalmente bem?

Isso é porque não te perdoaste a ti mesmo. Se o fizeres conquistas a paz e ninguém te poderá ferir com esse gume afiado, afinal foi resolvido dentro de ti.

Jesus disse à 2017 anos atrás, ao ser crucificado, “Perdoa-lhes Pai porque não sabem o que fazem!” – é o que dizem os Homens que Ele disse. O que Ele apelou naquele momento foi à compaixão do Pai Maior. Ao Homem cabe-lhe perdoar-se tantas vezes, tantas, até que se liberte de si mesmo como se conhece.

Perdoas-te e perdoas o teu reflexo que é o outro em ti.

O Perdão é doares-te a ti mesmo e porque te doas, aceitas. O Perdão é o grão da aceitação.

Podes dizer que perdoas alguém, mas dizes apenas, pois dentro não o sentes… É simples. Como é que alguém que não se perdoa de tantas coisas pode perdoar o outro em verdade?!

É uma mentira que (per) dão ao outro.

“Eu não te perdoo o que me fizeste!”, dizem. Pois não, só aquele que cometeu o acto se poderá perdoar a si mesmo de verdade. O resto – “Eu perdoo o que me fizeste – é igual a – “Como sou bom e neste momento melhor do que tu, condescendo essa tua falha”. Ninguém é melhor que ninguém em nenhum acto, pois todos já cometeram os mesmos.

Como, um igual a ti, pode perdoar ou perdoar-te seja do que for, se Deus não o faz porque não castiga? Só um castigador exerce perdão, só um juiz absolve (perdoa) ou condena. O Meu Pai não é nem uma coisa nem outra.

Eu Amo-vos Incondicionalmente, não me peçam perdão de nada, pois, não é a Mim que o têm de pedir, mas a vós mesmos, à vossa Alma.

Se em todos os actos que exercessem para com o outro tivessem a consciência pura de que o outro são vocês, não teriam de verdade muitos actos que têm e em conclusão o perdão seria uma pena nas mãos de cada um.

Não vim para vos perdoar de nada… Porque não vos julgo ou condeno.

O Perdão, tenham-no por vós, para cada um, cada um por si mesmo e assim não precisará de perdoar o outro, pois já se perdoou a si mesmo.

Eu Sou um dos que Vos Ama Incondicionalmente.

CMS

terça-feira, abril 09, 2013

Gratidão



O Sentido das Palavras...

De palavras em palavras se vagueia… De palavras em palavras, saem da boca de cada Homem frases bonitas, pensadas, memorizadas, até que o seja…Sentidas… Mas de emoção. 

Em verdade e para a verdade, a maior gratidão não se agradece, demonstra-se por gestos, por acções, por medidas, rédeas tomadas em momentos necessariamente importantes, como uma aula. 

Em verdade e para a verdade, a maior, a Gratidão pura, vem pela espontaneidade que te inunda e expande de dentro para fora sem que penses se o é ou não, sem que penses, depois de falar, se o estás a ser ou não. 

A Gratidão não se fala apenas, como nada se fala apenas, a Gratidão é um elixir que te inunda, se na verdade da tua Alma e Coração da Alma for sentida. Ela torna-se assim simplesmente existente, vivente, tão somente É, pois não se pensa – HOJE vou ser grato - ou – HOJE sou grato. Se é sentida, vivida, É-se Grato, a Gratidão é um estado de Alma, daquela que foi tocada e apenas o quer mostrar, nada importa à Alma, ao Coração tocado, a não ser seguir, agir, ser em conformidade com o que sente, seguir esse som, esse toque, essa mão que tudo lhe trouxe.

Gratidão não tem cor, forma, som… Ela é tudo isso e o mais que a envolva quando é posta em movimento, quando é visível.

Aquele que ao agir pensar em sê-lo, pois não o será a partir desse momento. 

Aquele que ao agir pensar que o é, pois não o será nesse preciso momento.

Aquele que ao agir trouxer à sua realidade a voz de - Como sou grato! – pois estará a transparecer um disfarce de gratidão. 

A Gratidão não se trauteia, vive-se.

A Gratidão não se pinta numa tela, é a tela.

A Gratidão não se desenha em gestos pensados, é espontânea nos movimentos, pura.

A Gratidão não se “compra” porque fica bem ser-se grato, ela experiencia-se na primeira pessoa, numa voz, num sentido, num sentir.

A Gratidão, ao ser em verdade da verdade, é a libertação de conceitos e preconceitos perante Algo Maior que não se vê mas Sente-se e Sente-se que muda, mudou tudo em cada vida, em cada Ser, em cada lugar.

A Gratidão é Grata apenas por Estar… Presente!

A Gratidão não escolhe, não se escolhe… Porque ela sabe onde estar e onde estiver é o seu lugar.

CMS

terça-feira, abril 02, 2013

Razão, Sabedoria e Fé / Reason, Wisdom and Faith


São realizações das mais elevadas do Homem.

... A Razão, leva o homem ao mundos dos factos das coisas.

A Sabedoria, leva o homem ao mundo da verdade, das relações.

A Fé, inicia o homem no mundo da Divindade, da experiência Espiritual.

A Fé leva a Razão e a Sabedoria numa viagem interminável e sem limites no Universo. Tendo por companhia apenas a Verdade...

A vida é motivada pela verdade e dominada pelo Amor.

Com Amor...

CMS

Are the highest accomplishments of Man.

… Reason guides Man to the world of facts, of things.

Wisdom leads Man to the world of Truth, of relationships.

Faith initiates Man into the world of Divinity, of spiritual experience.

Faith guides Reason and Wisdom in an endless and boundless journey through the Universe, having by company, only the Truth…

Life is motivated by truth and dominated by Love.

With Love...

CMS