quinta-feira, abril 05, 2007

O Oceano


No interno do oceano estão escondidos tesouros
nunca vistos mas imagináveis.
Assim é o teu interno,
onde tu ainda vagueias e desejas ver um tesouro
igual aquele que vês no outro.
Banha o teu interno como o oceano o faz,
delicia-te com os teus tesouros escondidos e trá-los à superfície.
Verás que não há diferença entre o teu interno,
o meu e o do oceano.
Tudo se completa, tudo é perfeito.
Tudo é o Todo.

Celeste Simões

2 comentários:

Mury disse...

Pela tua mão sinto o meu interno, banhado pela paz do teu oceano.
Pela tua mão vislumbro os tesouros ocultos e uma paz que não sabia conhecer invade o meu ser.
É uma paz sem palavras, activa sem acção, fogo de artificio sem som.
È uma força expansiva que nem o corpo nem a alma conseguem conter.
O racional queda-se perante o vácuo e o universo interno manifesta-se em plena magnitude.
Tudo deixa de estar presente sem deixar de existir.
Tudo deixa de ser e o ser torna-se uno com o todo.
O silêncio da serenidade preenche a minha alma, o meu espírito, o meu corpo.
Sinto-me mais perto de casa que nunca.
Quando tento expressar o que sinto, a voz embarga-se e as palavras soam distantes e ocas mas quando penso que não há palavras que exprimam o Amor, tu falas...e a tua voz e as tuas palavras tornam-se no espelho do teu oceano.
Pela tua mão regresso, relutante mas feliz tento reter em mim aquela paz infinita mas as gotas escorregam-me entre os dedos e eu estendo a mão na ânsia de regressar....
Pela tua mão.

Micaeerton disse...

A Beleza nas Imagens e no Verbo.
Aqui regressarei sempre.